O que nunca mais vai se repetir é o que torna a vida tão doce.

Emily Dickinson

fechar

Close

Hoje eu quero falar sobre coragem...

Essa firmeza de espírito que nos permite enfrentar situações emocionalmente ou moralmente difíceis, essa determinação para dizer sim enquanto muitos diriam não, a nossa habilidade para confrontar o medo do novo, do diferente e do inesperado.

Quando estou em sala de aula, sempre convido os participantes de minhas palestras e seminários a refletirem sobre suas escolhas profissionais, e uma enorme alegria toma conta de mim quando algum deles me diz: “Eu tive coragem de mudar”.

Quem disse essa frase mais recentemente foi a Valéria, estudante de Gestão de Recursos Humanos, uma estudante que abriu mão de seu posto como profissional da área da saúde para encarar o desafio de começar de novo.
Começar do zero, deixar um trabalho estável, um cenário de estabilidade financeira, pareceu para muitos familiares e amigos um grande sintoma de loucura, para Valéria foi um sintoma de libertação. Ela não estava deixando para trás o conforto e essa suposta estabilidade que sua primeira profissão lhe deu, ela estava seguindo em frente rumo a uma escolha que representava seu desejo de felicidade profissional.
Sem coragem essa mudança não seria possível. Valéria, em minha modesta opinião, representa a mais pura definição de coragem – a disposição nobre do coração – uma disposição honesta e franca para não negar e nem fugir dos chamados que recebemos de nossa missão de vida.

Disposição nobre do coração para descobrir que podemos ser ainda mais felizes e realizados promovendo pequenas ou grandes mudanças em nossas vidas: começar um novo curso, mudar de emprego, mudar de trabalho, mudar de atividade, redescobrir o sentido do trabalho que, muitas vezes, está completamente escravizado pela estabilidade financeira.

Loading...
Loading...